rinoplastiaO QUE É A CIRURGIA DE RINOPLASTIA?
Rinoplastia ou cirurgia do nariz melhora a aparência e a proporção do nariz, realçando a harmonia facial e melhorando a autoestima. A cirurgia do nariz também pode corrigir dificuldade respiratória causada por anormalidades estruturais no nariz. Devemos sempre lembrar que o nariz possui papel essencial na respiração. Portanto, a função respiratória não deve ser deixada em segundo plano diante de anseios estéticos.

MELHORE A SUA APARÊNCIA COM A CIRURGIA PLÁSTICA DE NARIZ
Enquanto o formato do seu nariz grealmente é resultado de hereditariedade, a aparência pode ter sido alterada por lesão, trauma, preenchimento ou cirurgia prévia.

A RINOPLASTIA É UMA BOA OPÇÃO PARA VOCÊ SE
• O seu crescimento facial estiver finalizado e se você tiver 16 anos de idade, ou mais,
• Você é fisicamente saudável,
• Você não fuma,
• Você tem atitude positiva e expectativa realista do resultado cirúrgico.

O QUE SE PODE OBTER COM A RINOPLASTIA?
A rinoplastia pode mudar:
• O tamanho do nariz, em relação a demais estruturas faciais,
• A largura do dorso nasal,
• O perfil do nariz,
• A ponta do nariz, que pode ser grande, caída ou muito arrebitada,
• Narinas grandes, largas ou arrebitadas,
• Assimetria ou nasal desvio,
• Dificuldade / obstrução respiratória nasal

PREPARANDO-SE PARA A CIRURGIA
Previamente à cirurgia, pode ser necessário:
• Fazer exames de laboratório ou avaliação médica,
• Tomar certos medicamentos ou ajustar seus medicamentos atuais,
• Parar de fumar com bastante antecedência à cirurgia,
• Evitar tomar aspirina, antiinflamatórios e medicamentos naturais, pois podem aumentar o sangramento.

COMO É REALIZADA A CIRURGIA?
Etapa 1 – Anestesia
Medicamentos são administrados para o seu conforto durante o procedimento cirúrgico. As opções incluem sedação intravenosa e anestesia geral. Seu médico irá recomendar a melhor opção para você.

Etapa 2 – Incisão
A cirurgia do nariz é realizada ou por procedimento fechado, em que as incisões são escondidos no interior do nariz, ou por procedimento aberto, onde é feita uma incisão através da columela, faixa estreita de tecido que separa as narinas. Através destas incisões, os tecidos moles que cobrem o nariz são cuidadosamente levantados, permitindo o acesso para remodelar a estrutura do nariz.

Etapa 3 – Remodelação da estrutura do nariz
A cirurgia do nariz pode reduzir ou aumentar as estruturas nasais com o uso de cartilagem enxertada de outras áreas de seu corpo. Mais comumente, partes de cartilagem do septo, a partição no meio do nariz, são usadas para este propósito.
Algumas vezes, parte de cartilagem da orelha e, raras vezes, parte da cartilagem da costela pode ser usada.

Etapa 4 – Correção de desvio de septo
A correcção de desvio do septo e a redução das saliências no interior do nariz melhoram a respiração.

Etapa 5 – Fechando as incisões
Uma vez que a estrutura subjacente do nariz é esculpida na forma desejada, a pele e o tecido nasal são acomodados e as incisões fechadas. Incisões adicionais podem ser feitas nos sulcos naturais das narinas para alterar o seu tamanho.

Etapa 6 – Resultados
Uma especie de gesso e tampão internos darão sustentação ao nariz à medida que a cirurgia começa a cicatrizar por aproximadamente uma semana. Enquanto o inchaço inicial diminui dentro de algumas semanas, pode levar até um ano para o novo contorno nasal ser redefinido completamente. Durante este período, você perceberá mudanças graduais na aparência de seu nariz. O inchaço pode aparecer e desaparecer e ser um pouco pior pela manhã, durante o primeiro ano, após a cirurgia. A rinoplastia para remodelar a via aérea obstruída requer avaliação cuidadosa da estrutura nasal que se refere ao fluxo de ar e respiração. A correcção de desvio do septo, uma das causas mais comuns de insuficiência respiratória, é conseguida através do ajuste da estrutura nasal para produzir um melhor alinhamento.

EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRIA
Pode levar vários meses para que o inchaço desapareça completamente e até um ano – e às vezes mais – para o resultado da cirurgia ser percebido em sua totalidade. Embora os resultados da rinoplastia sejam, geralmente, permanentes, a cartilagem pode continuar a mover e remodelar o tecido, alterando o resultado ao longo do tempo.

APÓS A ALTA HOSPITALAR
Se você sentir falta de ar, dores no peito ou batimentos cardíacos anormais, procure atendimento médico imediatamente. Se algumas destas complicações ocorrerem, você poderá precisar de internação e de tratamento adicional.
A prática da medicina e da cirurgia não é uma ciência exata. Apesar de serem esperados bons resultados, não há garantia. Em algumas situações, pode não ser possível atingir os melhores resultados com um único procedimento cirúrgico, sendo necessária uma nova cirurgia.

POSSÍVEIS RISCOS DA CIRURGIA
• Ruptura de pequenos vasos no nariz,
• Assimetria do nariz,
• Cicatrizes desfavoráveis,
• Sangramento (hematoma),
• Infecção,
• Riscos anestésicos,
• Má cicatrização,
• Dormência ou demais alterações de sensibilidade na pele,
• Despigmentação da pele e/ou inchaço prolongado,
• Podem ocorrer alterações na via aérea nasal após a rinoplastia e a septoplastia, podendo interferir na passagem normal de ar pelo nariz,
• Perfuração do septo nasal (um orifício no septo nasal) pode desenvolver, no entanto, não é comum e tratamento cirúrgico adicional pode ser necessário para reparar o septo. Em alguns casos, pode ser impossível corrigir esta complicação,
• Dor, que pode perdurar,
• Complicações cardíacas e pulmonares,
• Fios de suturas podem espontaneamente emergir na pele, tornando-se visíveis ou produzir irritação que exijam sua remoção.
• Possibilidade de novo procedimento cirúrgico.

PERGUNTE AO SEU CIRURGIÃO
Use esta lista como um guia durante a consulta:
• Você é especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica?
• Você foi treinado especificamente no campo da Cirurgia Plástica?
• Quantos anos de treinamento em cirurgia plástica você teve?
• A instalação do centro cirúrgico em sua clinica é autorizada pela Vigilância Sanitária?
• Sou um bom candidato a este procedimento?
• O que se espera de mim para que os melhores resultados sejam obtidos?
• Onde e como será realizado o procedimento?
• Qual técnica cirúrgica é recomendada para mim?
• Quanto tempo de recuperação posso esperar, e que tipo de ajuda vou precisar durante minha recuperação?
• Quais são os riscos e complicações associados ao meu procedimento?
• Como são tratadas as complicações?
• Qual será a aparência do meu nariz com o passar do tempo?
• Quais são minhas opções se estiver insatisfeito com o resultado estético?
• Você tem fotos pré e pós-operatórias? Quais resultados são satisfatórios para mim?

RINOPLASTIA SECUNDÁRIA

O QUE É A RINOPLASTIA SECUNDÁRIA?
Rinoplastia secundária é a cirurgia realizada em um nariz previamente operado, seja por motivos estéticos e/ou funcionais. Intervenções consecutivas recebem o nome de rinoplastia terciária e assim por diante.

POR QUE REALIZAR A RINOPLASTIA SECUNDÁRIA?
O nariz, por ocupar a porção central da face, possui grande notabilidade. Por isso, pequenas alterações de relevo se tornam perceptíveis. Como o processo cicatricial secundário a uma intervenção cirúrgica não pode ser completamente controlado, torna-se fácil entender que o número de variáveis atuando no pós-operatório de uma rinoplastia é elevado. Sendo assim, em algumas situações, torna-se necessário uma reintervenção cirúrgica, seja por motivos estéticos ou funcionais.

CAUSAS OBSTRUTIVAS PARA UMA REOPERAÇÃO NASAL
Cabe ao nariz a função primária de permitir a passagem do ar durante a respiração. Desvios de septo, conhcas aumentadas, esporões ósseo, entre outros, podem prejudicar a passagem do ar, causando obstrução respiratórias. Caso tais alterações não sejam abordadas na cirurgia primária, pode haver comprometimento do fluxo aéreo no pós-operatório. Portanto, para evitar que isso aconteça, torna-se necessário avaliar bem a presença de obstruções e sinais que possam levar a um prejuízo do fluxo aéreo nasal no pós-operatório.

O QUE TORNA A RINOPLASTIA SECUNDÁRIA DIFERENTE DA PRIMÁRIA?
A rinoplastia secundária costuma ser muito diferente da primária, necessitando, muitas vezes, de técnicas mais elaboradas para se conseguir um resultado favorável. Além da fibrose resultante da cirurgia prévia, o cirurgião precisa saber lidar com alterações cartilaginosas decorrentes do primeiro ato cirúrgico.
As cartilagens nasais possuem importante função de sustentação para manutenção do formato e fluxo aéreo nasal. O próprio processo fibrótico decorrente da rinoplastia primária pode causar enfraquecimento do tecido cartilaginoso, gerando alterações de forma e função.
É muito comum, durante a rinoplastia primária, utilizar a cartilagem do septo nasal como fonte de enxertos, tanto para sustentação como para dar forma a certas porções do nariz.
Quando há necessidade de enxertos cartilaginosos na rinoplastia secundária (maioria dos casos), pode ser necessário retirar cartilagem da orelha ou costela, tornando o procedimento, geralmente, mais demorado.
O processo fibrótico que segue a uma rinoplastia torna a identificação dos elementos anatômicos nasais mais trabalhosa, necessitando de maior perícia por parte do cirurgião, além de poder causar retrações ou protuberâncias

QUAL PROFISSIONAL ESCOLHER PARA REALIZAR A RINOPLASTIA SECUNDÁRIA?
Conforme dito anteriormente, o número de variáveis atuando no pós-operatório de uma rinoplastia é muito grande. Por isso, mesmo cirurgiões com muita experiência em rinoplastia, às vezes, indicam um retoque ou mesmo uma rinoplastia secundária, para abordar efeitos inesperados da cirurgia primária.
Portanto, a necessidade de uma rinoplastia secundária não significa, necessariamente, que a cirurgia anterior foi feita de forma inadequada.
Entretanto, recomendamos que o paciente procure um médico com maior experiência em rinoplastia para realizar a cirurgia secundária, ja que esta, sem dúvidas, exige maior perícia por parte do Cirurgião Plástico, além de maior conhecimento sobre anatomia e fisiologia nasais.

A CIRURGIA DEIXA CICATRIZES VISÍVEIS?
Normalmente a rinoplastia secundária é realizada de forma “aberta”, ou seja, através de um corte visível na pele da columela (porção do nariz situada entre os intróitos nasais). Muitas vezes o paciente já irá apresentar cicatriz nessa região, decorrente da cirurgia primária. Nesses casos, a incisão é realizada sobre a cicatriz prévia, para evitar novas cicatrizes. Entretanto, a cicatrizes na columela costumam ser muito pouco aparentes a longo prazo (após a maturação da cicatriz).
Eventualmente, quando a cirurgia secundária será realizada apenas para pequenos retoques, pode-se optar por uma incisão na parte interna do nariz, não necessitando da abordagem “aberta”.

QUAL O TEMPO PARA RECUPERAÇÃO?
O prazo para retorno às atividades habituais após uma rinoplastia secundária não costuma ser maior do que o da primária, excetuando-se os casos que necessitem de abordagem mais ampla (como, por exemplo, quando há necessidade de retirada de cartilagem de costela). O nariz costuma permanecer inchado por um período mais prolongado do que na rinoplastia primária, em virtude da sobreposição de um novo processo fibrótico/cicatricial.

EXISTEM RISCOS?
Basicamente, os mesmos riscos da cirurgia primária estarão presentes na secundária.
Quando existe necessidade de retirada de cartilagem de costela, há o risco de pneumotórax (entrada de ar no espaço entre as costelas e o pulmão). Se isso ocorrer, pode ser necessário o uso de drenos de tórax nos primeiros dias de pós-operatório.

MENTOPLASTIA

O QUE É A MENTOPLASTIA?
Mentoplastia é a cirurgia realizada para alterar a posição do queixo, podendo ser realizada mediante inclusão de implantes ou através de alterações na posição do osso do queixo. Saiba mais detalhes na nossa seção específica sobre Mentoplastia.

QUAL A RELAÇÃO DO NARIZ COM O QUEIXO?
É muito importante, quando se decide operar o nariz, observar não apenas o nariz, em si, mas sua relação com o restante da face. A posição do queixo pode tornar o nariz mais ou menos proeminente.
Nos casos em que o queixo ocupa uma posição mais posterior ao que seria esperado, o nariz aparenta ser maior. Nesses casos, torna-se importante alterar a posição do mento (queixo), seja por meio de implantes ou por avanço ósseo. Assim, pode-se conseguir uma maior harmonia entre as partes superiores e inferiores da face.

Para maiores informações sobre a mentoplastia, consultar sessão específica sobre o assunto.